domingo, 21 de novembro de 2010

OPORTUNISMO DAS CHAPAS 2 E 3

Já não é novidade para o movimento estudantil da UEM o fato de que existe pouca participação dos estudantes nesse movimento - estranho né, um movimento estudantil no qual existe pouca participação dos estudantes. Pois é, a leitura que se tem diante disso é que um movimento fraco não dá conta de enfrentar os problemas que existem no cotidiano dos estudantes. Por isso a necessidade de revermos a estrutura desse movimento, ou seja, como que as entidades (Centros Acadêmicos e DCE) estão estruturadas de tal maneira a contribuir para que essa pouca participação se mantenha.

É nesse sentido que propomos a descentralização nas decisões das entidades. Entendemos que o modo de organização centralizado em uma diretoria que impõe suas posições e direcionamentos, seja por vinculação partidária ou por ganância individual, acaba afastando o estudante da entidade e enfraquecendo, assim, o movimento estudantil. O problema é que existem grupos políticos que, apesar de reconhecerem a fraqueza do movimento estudantil, não acreditam na descentralização como medida para alcançar maior participação. Isso porque para esses grupos políticos a descentralização significa perda de poder, perda do dce como escritório de partido, perda do dce como entidade de promoção individual e perda do dce como um aparato governista (atrelamento da gestão à reitoria ou ao governo estadual ou federal). O que interessa para esses grupos é justamente que não aconteçam essas perdas. É por isso que eles impugnaram a Chapa Descentralize nas eleições do ano passado, porque essa chapa tinha grandes chances de ganhar as eleições e iniciar um movimento pela descentralização. É bom frisar, tentaram impugnar da mesma forma a CHAPA 1 este ano. Mas não conseguiram.

Agora esses grupos políticos, que estão compondo as chapas 2 e 3, vêm em campanha dizendo que também têm propostas para aumentarem a participação dos estudantes no DCE. Porém, sabemos que se trata apenas de confundir o estudante e conseguir o seu voto. A CHAPA 2 BONDE DO AMOR POR MAIS ALTERAÇÃO, composta essencialmente pelo PT E PCdoB, apresentam a proposta de orçamento participativo, dando a entender que isso aumentaria a participação dos estudantes. Porém, verdade seja dita, por que em 2 anos de gestão eles não implementaram esse orçamento e só agora se valem dessa proposta para se fortalecerem na campanha? Será que não é se trata apenas de oportunismo político, uma vez que eles sabem que nós estamos passando em sala e os estudantes estão sabendo da importância da participação e da descentralização?

A CHAPA 3 NENHUMA DAS ANTERIORES, composta essencialmente pelo PT, está apelando no mesmo sentido. Apesar de não termos muita referência no material deles a esse respeito, sabemos que estão passando em sala dizendo que, caso eleitos, farão reuniões abertas na qual o estudante vai poder participar - um discurso que todas as chapas sempre falam em campanha, dando a entender que são democráticos e sabem lidar com as diferenças. Mas eles não têm clareza na proposta, eles não dizem, por exemplo, como exatamente irão funcionar essas reuniões, se o estudante vai poder participar somente como ouvinte ou se vai poder propor e também votar, qual o peso deste voto, a periodicidade dessas reuniões, enfim, a proposta deles não está clara e isso significa que eles não discutiram isso na base. Isso é o oportunismo das chapas 2 e 3 - eles estão se aproveitando da nossa crítica à centralização e tentando, assim, obter maior força política.

A CHAPA 1 MOVIMENTE-SE UEM, cuja composição engloba os partidos PSOL, PCB, PSTU, mas também engloba estudantes apartidários, antipartidários e Anarkistas, ao contrário das outras chapas, não trata da descentralização como um mero produto de campanha. Nós discutimos bastante a respeito disso, desde o ano passado com a Chapa Descentralize e até mesmo antes. Sabemos que nossa proposta vai alterar a dinâmica do movimento estudantil. Por exemplo, com uma gestão aberta em que todo estudante, independente de partido, cor, religião, classe ou orientação sexual, vai ter direito a participar de maneira igual com voz e voto nas decisões do dce, como ficariam os Conselhos Estudantis de Entidades de Base, os CEEB´s? Eles deixariam de acontecer? Propomos que não. O CEEB é uma instância superior à gestão do DCE e seu papel, entre outros, é o de fiscalizar a gestão (vale lembrar que a atual gestão só fez dois CEEB´s, sendo que pelo estatuto do DCE a gestão deve realizar 1 a cada dois meses). Outro ponto importante em relação a descentralização é que para ela acontecer não basta que a gestão do DCE abra suas portas e possibilite que o estudante fale e vote de maneira igual. Nós buscamos, sim, a politização do estudante e isso pode acontecer por diversas formas - com atividades culturais, com eventos de caráter científico (palestras, seminários, etc.), com debates estudantis, entre outras maneiras que podem tocar o estudante no sentido da importância da participação individual com vistas ao bem comum.

Nós entendemos que o problema da fraca participação dos estudantes no movimento estudantil é um problema histórico de anos e anos de despolitização e descrédito no estudante. A ditadura militar no Brasil, por exemplo, conseguiu construir uma imagem que é muito forte ainda hoje de que o estudante que participa da política ou é um criminoso ou é um marginal. Ou, então, outra idéia corrente hoje em dia é que participar da política é perda de tempo, uma vez que as obrigações acadêmicas são tantas e tomam maior parte de nosso tempo. Ora, do jeito como está estruturado o DCE, centralizado, participar politicamente é mesmo uma coisa massante e que faz com que muita gente se atrapalhe com os assuntos acadêmicos. É bem verdade que existem estudantes que se envolvem na política, aqueles que chamamos de estudantes profissionais, que sempre são filiados a este ou aquele partido e que ficam migrando de um curso ao outro só para não perder vínculo com a universidade, esses se aproveitam dessas opiniões e querem mesmo que os estudantes não se envolvam politicamente, porque assim fica mais fácil deles fazerem suas tramóias.
Enfim, votar em uma chapa que defende a descentralização tal como nós defendemos é votar na possibilidade do próprio votante participar, de maneira direta e horizontal. Apesar de discordarmos das posições políticas das chapas 2 e 3, a descentralização não exclui a possibilidade deles participarem. Queremos lidar de maneira adulta com as diferenças e assim somar forças. Queremos um movimento estudantil forte e atuante para superar nossos problemas.

Não queremos decidir nada pelo estudante, queremos que o estudante decida com a gente!

26 comentários:

Anônimo disse...

é isso ae.. chega de ratasanas políticas comandando o DCE!!!

vcs precisam lembrar o estudante de que as ratasanas existem sim e que voltam sempre neste período de eleição.. só faltou citar os nomes!

paulo do PCdoB e osafá do PT
duas velhas ratasanas que estão articulando a campanha do bonde do amor este ano.. já roubaram muito no DCE! o paulo na gestão navegar de 2004 e o osafá na gestão expressão de 2006.. uma vendeu o cursinho pré-vestibular que o DCE tinha e a outra transformou o DCE numa boca de venda e consumo de drogas...

abaixo as ratasanas políticas no DCE!

abaixo o atrelamento partidário no DCE!

Letícia disse...

O modelo de gestão que vocês propõem é o mesmo do Centro Acadêmico de Ciências Sociais?

Letícia disse...

Se for, seria interessante mostrarem propostas para que não aconteça como no Centro Acadêmico de Ciências Sociais, em que UM GRUPO que domina ali há algum tempo indicou um membro para a comissão eleitoral sem consultar todos os alunos. Porque, caso isto tivesse sido aprovado em assembleia, todos os estudantes saberiam dela E já teriam visto a ata da tal assembleia QUE NÃO ACONTECEU.

Anônimo disse...

Letícia se vc acha q é isso é isso que ocorre no CAFF, levanta-se da cadeira e vá fazer alguma coisa para mudar isso, o CAFF é auto-gestão, têm falhas, mas não é um grupo que monopoliza aquilo lá não, isso é mentira da sua parte, não age e não faz nada quem não quer !!!!!!!! - quem fica acomodado esperando que os outros decidam por você. então se isso ocorre no CAFF como vc diz mude isso, o caso da comissão eleitoral é outra coisa, as vezes a burocracia da universidade atrapalha, se vc quisesse ser da comissão eleitoral e vc é do CAFF, pq vc não chamou uma assembléia???? - pq vc nao fez?!!

O resto nem compensa falar se eu fosse administrador do site eu apagava esses comentários ridículos.

Letícia disse...

Acontece, ANÔNIMO, que quando a burocracia da Universidade atrapalhar, QUEM TOMARÁ AS DECISÕES PELO DCE?

Anônimo disse...

Se eu fosse vc eu ia procurar o Igor, o bonde do amor, o said, o pessoal da comissão eleitoral que laçaram um merda de um calendário que atrapalhou tudo e todos, um calendário que favorece exclusivamente a eles, que são gestão. O modelo do CAFF tem falhas e se vc é do curso pq vc não vai lá muda as coisas??? agora o seguinte, gestão-aberta não é o mesma coisa de auto-gestão como é no CAFF, deixo bem claro. O CAFF têm suas falhas. Têm. Critica-las só por criticar não vale apena, eu quero te ver na próxima assembléia do CAFF ajudando a resolver esses problemas.

Celo disse...

Será que esse anônimo ai é do Curso de Ciência Sociais, se for... que medo. Do jeito que está falando, tenho medo de aparecer em uma reunião e levar uma mordida caso tenha divergencia de pensamento.
Nossa... que medo mesmo.

Celo disse...

Agora, só mais uma coisa.
Tem algumas pessoas que pregam pela auto - gestão do CAFF e as mesmas dizem que se queremos participar temos que puxar reuniões e temos que ir lá na Assembléia falar sobre o que pensamos.
Tudo bem, mas como que eu vou se quem puxa a reunião não divulga. Seria legal se as pessoas que puxassem reunião passasse em sala para avisar a gente, acho que não custa nada, tipo, vai na porta, pede 1 min para a professora e fala com a sala. Que tipo de participação é essa e auto - gestão que vocês deliberam com menos de 50% do curso, que escreve carta aberta com apenas 2 pessoas e depois dizem por ai que todos os estudantes do curso pensa isso. Não acho certo isso, falta informação e incentivo, acho que a auto - gestão significa, todo mundo manda mas ninguém responde por nada o que é muito ruim, para quem vou reclamar, para as paredes do CAFF por que ninguém assume que falta informação e se falamos isso, jogam a culpa na gente.

Celo disse...

Faz um teste.
Puxem eleição e vejam o descontentamento do curso. Eles não falam por que tem medo do grupo que domina o CAFF que fala pelo CAFF, que escreve coisas em nome do CAFF. Sempre as mesmas pessoas, sempre as mesmas afirmações que não representa todo mundo, porque não é todo mundo que delibera.
Passem em sala, conversem com os alunos e puxem eleições.
Tem muita gente por ai falando, que ainda bem que um pessoal está se formando, por que não tem como participar, criou - se um tipo de autoritarismo dentro do curso, se pensamos diferente somos excluidos e humilhados como fazem com algumas pessoas isso parece até uma forma de sistema ditatorial, manter o poder pela força ou pelo berro.

Érico Matos disse...

O celo vc pode ir lá, eu sou acadêmico do curso e garanto que ninguém vai fazer nada, divergência do pensamento é algo bom, pois é somente na divergência que colocamos os problemas e o modo diferente que cada um temos de encarar cada problema que nos auxilia na discussão e buscamos assim de modo resolver esse problema. O melhor é que é na divergência que crescemos, bem eu ao menos penso assim. Mas, uma das coisas que eu concordo que esse anônimo disse é que auto-gestão é diferente de gestão-aberta. E a nossa chapa é aberta, portanto criticas e posturas para a construção de como deve funcionar as assembléias aberta tem que ser feita sim, eu acho que tanto a Letícia quanto o Anônimo tomaram outro viés errado confundindo as coisas. Letícia você é de que ano da ciências sociais??? Não te conheço, anônimo se você diz com tanta propriedade sobre o assunto, eu deixo a dica para você se identificar, pois já que estamos no mesmos C.A, mas sem problema. Assim, eu acredito que o modelo que foi proposto de gestão aberta é algo que pode sim funcionar, pois aproxima as reivindicações dos estudantes do DCE e isso é importante. E levantar criticas ao modelo proposto é algo bom e saudável, pois auxilia a aperfeiçoá-lo. Eu, particularmente não vejo problema algum nisso, é algo bom.

Érico Matos disse...

Desculpa Celo mas isso não é verdade. Foi chamado discussão sobre a auto-gestão do CAFF semana passada, eu infelizmente por motivos pessoais nao pude ir, mas eu sei que uma galera foi e o que o pessoal quer é justamente isso chamar a participação e não afastar as pessoas. E eu particularmente acho que realmente estão confundindo as coisas aqui. Celo se você é do CAFF chama uma assembléia para discutirmos esse topico com o curso eu creio que isso é o melhor.

Lucas Okado disse...

Só um a coisa sobre essa forma de gestão. Num dos planos para a educação foi proposto a instituição do conselho escolar, onde representantes da comunidade, junto com o gremio escolar e a direçào da escola deliberariam sobre a aplicação de recursos e problemas da escola. Em tese, mais democracia na gestão escolar. Na prática isto desresponsabilizou o Estado em prover a escola de recursos necessarios para a melhoria do ensino e quando era cobrado, joga-se a culpa no conselho escolar. O mesmo acontece no CAFF. Não existem responsaveis pra nada e quando se cobram alguma medida sobre determinado assunto, imediatamente jogam a bola de volta pra vc dizendo: faça! Nunca vi uma prestação de contas e nem sei se alguem do CA consegue receber do xerox, o preço abusivo que eu pago, onde estão incluidos os recusos para o CAFF funcionar, não estão sendo passados pro CA. E a mesma galera que reclama do preço do xerox e culpa o DCE por não fazer nada, não faz nada no seu próprio curso. O DCE deve sim aperfeiçoar os meios de participação e cada vez mais estamos avançando nisso. Este ano foram tiradas 3 comissões em CEEB para tratar de assuntos como casa do estudante, criminalização (lei seca) e o Congresso. Quem, além da diretoria do DCE que fazia parte destas comissões fez alguma coisa? Mas ainda acreditamos ser possivel avançar nisso e vamos insistir em aperfeiçoar formas de participação. A galera insiste em se utilizar de mecanismos neo-liberais na gestão das entidades estudantis. Vai acabar que ninguem vai se responsabilzar pela gestão da entidade.

Uma pergunta: caso eleitos, eu como estudante levar alguma pauta para o DCE vcs vão dizer a mesma coisa que fazem no CAFF: faça?

Celo disse...

Ótima idéia.
Faz quanto tempo que não há prestação de contas. Pelos menos nos dois ultimos anos me disseram que não sabem como foi gasto o dinheiro, quem é o tesoureiro?
Quanto vocês recebem e de quem recebem e com o que é gasto?
Seria interessante prestarem contas dos meses que receberam nesses dois ultimos anos mostrando notas fiscais de recebimento assim como, as notas de como foi gasto cada centavo. Não dizem que a auto - gestão funciona é organizado, então o dinheiro é centralizado em alguém ou todo mundo pode ir lá receber e gastar com o que bem entender. Quero saber quem eu posso cobrar e queremos prestação de contas já, dos dois últimos anos de auto - gestão. 2009 e 2010. Agora o duro é saber de quem cobrar, alguém pode me informar, por favor. Vou fomentar isso no curso, é direito meu e de todos os estudantes de Ciencias Sociais saber onde foi gasto cada centavo, agora, outra pergunta, alguém vai se ofender se eu me interessar pelas pautas da tesouraria? Acho que não né? Por que se o negocio funciona não tem para que se preocupar, semana que vem puxo a reunião para pedir prestação de contas e quem souber quem é o tesoureiro me avisa.

Celo disse...

ALGUÉM VAI ME OUVIR OU VÃO DIZER QUE A CULPA É MINHA QUE SE EU QUISER PRESTAÇÃO DE CONTA É PRA MIM IR LÁ E FAZER UMA E APRESENTAR EM UMA REUNIÃO DO CAFF. Alô quem me escuta?
Tem alguém responsável por isso ou eu sou responsável também pela prestação de contas desde que estou cobrando ela. O duro que não sei nem onde receber o dinheiro e nem onde guardam os recibos quando precisam gastar o dinheiro e nem sei onde é guardado o proprio dinheiro para que eu possa contar as moedas para apresentar a prestação de contas. Alô quem me escuta? Você vai me morder.

Nicolle. disse...

Letícia, não. A proposta de gestão da chapa Movimente-se UEM é de uma gestão aberta, que difere de auto-gestão.

Sobre a auto-gestão do C.A de Ciências Sociais, é válido sim que ela apresenta mtas falhas, mas ela não é de total malgrado.
Bom, já adianto que, na minha opinião, o espaço para comentários do blog da CHAPA MOVIMENTE-SE UEM não é o lugar mais apropriado para discutirmos a auto-gestão do nosso C.A.F.F...mas deixemos algumas coisas esclarecidas
"Celo", não temos um tesoureiro. Nosso C.A não é hierarquizado, com pessoas divididas por cargos, oq fazemos são comissões, com determinadas responsabilidades, que deveriam ter dado certo. Ok,o ano de 2010 foi realmente desastroso (de abril para cá) em relação a nossa auto-gestão, mas vamos recuperar o tempo perdido. Foi puxada uma reunião que foi um número considerável de calouros, o 2º ano n foi, 3º e 4º estavam por lá tbm. O objetivo da reunião era o de retomarmos algumas questões sobre o CA, e já irmos pensando algo para a assembléia geral que deverá acontecer em breve! Enfim,se vc é realmente acadêmico de sociais e quiser puxar uma reunião, poxa, seria otimo! Estamos em um ponto crítico do ano letivo, tá complicado de organizar e dar contas das coisas, creio q isso seja algo em comum a todos nós estudantes, mas o diferencial é isso, vc , eu, qlq pessoa pode puxar uma reuniao e esta será válida! Enfim, peço que procure a nós do curso para conversarmos, se vc quer saber mesmo com quem tá o dinheiro etc e tal me manda um email (nicolle.mp@gmail.com), mas não vamos discutir essas questões, eu diria até particulares, do nosso CA aqui, no blog da movimente-se uem.

Bartolomeu Parreira Nascimento disse...

Letícia, não estamos propondo a mesma estrutura do CAFF no DCE. O CAFF representa pouco mais de 100 alunos enquanto que o DCE representa mais de 20.000. A autogestão do CAFF tem tido uma média de mais ou menos 30 alunos por assembléia, sendo que houveram assembléias com a participação direta de mais de 50 alunos, ou seja, quase metade do curso. Durante os últimos 2 anos de autogestão no CAFF conseguimos conquistar o espaço físico do CAFF, cuja chave TODOS os alunos do curso podem ter, realizou mini-cursos, debates, conseguiu eleger o CAFF para uma vaga na comissão eleitoral (fato inédito), inovou junto com o CAFIL ao introduzir os sarais de Centros Acadêmicos que tem se transformado em nova tradição na UEM. Durante os últimos dois anos o CAFF realizou 9 sarais enquanto que o Bonde apenas realizou 2. No começo deste ano o CAFF realizou a melhor calourada da história do curso: a primeira semana de aula foi liberada pelo DCS, realizamos 3 debates, um sarau, 2 festas e uma oficina de stencil, tie-dye e mosaico. Dentro do CAFF montamos uma pequena e humilde biblioteca de doações que todos os alunos podem pegar livros prestados. Dizer que um grupo domina o CAFF quando TODOS tem o direito à voto e as assembléias tendem à ser cheias é uma mentira. Aliás, nunca te ví se manifestar se manifestar sobre o CAFF antes e nem sei quem você é, o que é raro num curso tão pequeno como sociais em que todos se conhecem. Os problemas do CAFF devem ser resolvidos pelos estudantes do curso de ciências sociais. O CAFF é uma coisa e a Chapa Movimente-se UEM é outra. Parece que você quer desviar atenção da campanha pelo DCE...

Bartolomeu Parreira Nascimento disse...

Celo, acho estranho você criticar que as nossas decisões são tomadas por menos de 50% os alunos do curso quando na maioria dos Centros Acadêmicos as decisões são tomadas por pequenas diretorias de 2 ou 3 pessoas. Passe pelos outros Centros Acadêmicos e pergunte como são tomadas as decisões. Em todos os CEEBs que eu participei desde o ano passado o CAFF foi o CA que mais conseguiu mobilizar para participar. Enquanto que as decisões da maioria dos CAs nos CEEB são decididas por uma única pessoa, o representante, as nossas decisões são tomadas em assembléia. No último CEEB, o Bonde do Amor marcou em cima da hora e se negou à avisar o CAFF, mesmo após receber a mesma reclamação em todos os CEEBs. Em seus dois anos de gestão, o Bonde tem desrespeitado o CAFF e os alunos de ciências sociais ao se negar à nos avisar em tempo hábil para convocar uma assembléia. Infelizmente o representante de nosso CA na Comissão Eleitoral, assim como os outros 6 representates, não foi tirado em assembléia. Reconheço que foi uma falha, mas essa falha foi reflexo da falta de tempo que o Bonde nos impõe, o que em algumas ocasiões tem impossibilitado a realizão de assembléias. De qualquer forma, como o CAFF é autogerido qualquer aluno do curso pode convocar uma assembléia, com tanto que seja divulgada com dois dias de antecedência, e apresentar qualquer pauta. Isso é democracia.

Acontece que tem gente que não quer assumir responsabilidades e quer esperar que os outros sempre façam. Se você quer mudar algo, manifeste-se! Convoque uma assembléia. Se você quer que as coisas mudem, pare de reclamar e movimente-se!

De qualquer forma, os problemas do CAFF devem ser resolvidos pelos alunos do curso. Este é o blog da Chapa Movimente-se UEM, não o blog do CAFF. Assim como a Letícia, nunca te ví e não sei quem você é, o que me leva à crer que você é apenas mais um membro do Bonde tentando desviar atenção da eleição.

Bartolomeu Parreira Nascimento disse...

Okado, engraçado como você permanece em silência em relação ao CAFF durante o ano inteiro e poucos dias antes da eleição você aqui, que não é o blog do CAFF, para lançar críticas ridículas. Isso tem um nome: se chama oportunismo eleitoreiro. Durante os 2 anos que o CAFF é autogerido você EM NENHUM MOMENTO procurou assumir qualquer responsabilidade ou fez qualquer coisa pelo CAFF, apenas criticou que você achava que os outros deveriam fazer mais. Nos únicos momentos em que você compareceu nas assembléias você apenas se interessou em tentar passar a agenda do Bonde, sem se preocupar com qualquer questão do DCE. Até hoje eu não entendo porque que você nunca fez nada. Poderias ter organizado um debate, uma palestra ou outros evento, poderias ter assumido algumas das comissões, mas você não quis. Poderias ter convocado uma assembléia, mas você nunca quis.

Como gestão do DCE, você desrespeitou o CA do teu curso e a forma de gestão que seus alunos escolheram ao se negar à nos dar tempo hábil para realizar assembléias. Sempre tentaram aprovar tudo em cima da hora, inclusive a prestação de contas 2 vezes consecutivas no CEEB.

Eu tenho uma pergunta: cadê o dinheiro do show do Velhas Virgens? Porque que vocês sumiram com a nota? Por que desrespeitaram a determinação do CEEB de encaminhar um processo para o Ministério Público? Por que escondem isso dos estudantes? No dia foram cobrados 15 reais para estudantes e 30 para a comunidade externa. Você não acha que isso é bastante grana?

Por que desrespitaram o Estatuto do DCE e os CAs ao se negarem à convocar o CEEB mensalmente?

Por que que no ano passado não realizaram nenhum sarau e neste ano apenas realizaram 2? Nesse mesmo tempo o CAFF, que você tanto critica, realizou 9 sarais.

Quantos debates foram promovidos pelo DCE este ano? Só na calourada o CAFF promovou 3.

Caso eleitos, caro Okado, você terá o mesmo voto que eu e todos os estudantes da UEM terão, coisa que o Bonde quer negar. É preciso a participação e movimentação dos estudantes para conseguir conquistas cada vez maiores, pena que o Bonde não enxerga isso.

ser ViVO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vitão! disse...

pô galera
esse espaço aqui nao é só da sociais cara...
esse espaço aqui vai alem... congrega mais que os ideais e que a esfera do CAFF e independente do que se diga a respeito do CAFF isso deve ser discutido no CAFF você nao pode falar de um movimento pelo outro... isso é uma falacia!!
nao venha com discursos prontos
querendo ganhar espaço pelo caminho errado celo... se você acredita em uma auto gestao, ou em uma gestão aberta proponha um modelo, ou uma alteraçao no modelo... pois o modelo é so um modelo que é dinâmico, ele pode ser discutido e modificado como o próprio regimento prevê, e eu diria que se tratando de uma autogestão como no caff o modelo organização e tomadas de decisão sao com certeza os temas mais interesse e discussão dos integrantes do CA de sociais .. pelo menos é assim na movimente-se, todos temos consenso nos termos estabelecidos até entao.. assim que alguma medida não agradar a todos ela será revista e sera feita as devidas modificações com certeza... agora oq não da e pra ouvir esse discurso leviano de quem fica de braços cruzados frente as dificuldades e diferenças.. (esses envelhecem cedo... e vivem dando tiro no pé.. como uns e outros, por viverem querendo mostrar que são aquilo que outros querem que ele seja por motivos puramente políticos).
sendo um assunto de interesse de todos o modelo de auto gestão com certeza esta aberto a discussões e esclarecimentos, por e com todos os integrantes da chapa até o dia do congresso que o ceeb chamará. e que o DCE fará. que não fara como o bonde que boicotou o congresso de 2010, por motivos de apoios politicos e coligações partidariosde !

Érico Matos disse...

E, eu particularmente acho que há FAKE nessa conversa querendo mudar o foco da discussão aqui o oportunismo da chapa 2 e 3 - ao lançar idéias que todos nos sabemos que eles nunca foram a favor, pois sua própria estrutura de organização não permite que isso seja realizado. É uma estrutura hierárquica de pessoas que seguem ordens de cima e passam essas idéias guela abaixo do estudante. Isso sim é autoritarismo.

Lucas Okado disse...

Me propus a participar da comissão responsável por elaborar o estatuto, o que não deu em nada e propus duas pautas também, que nào deram em nada: a questão dos representantes discentes no CI/CCH e a questão das dependencias que acabariam na UEM. Ninguem levou a sério.

É o que eu disse: todo mundo tem erros e defeitos Bartô. Só que tudo o que voces criticam em nós, voces fazem pior no CAFF. Prestação de contas, preço do xerox, imobilismo... tudo isso acontece na maravilhosa auto gestão do CAFF. Agora vocês estao querendo disputar o DCE pra que? Pra fazer a mesma coisa? Como diria o Dead Fish "não há mudança só alternancia de poder/discriminado hoje/discriminador amanhã..."

Pati disse...

Okado,

traduzindo: o DCE deve ser gerido por políticos profissionais, que devem fazer tudo sozinhos sem contato com os estudantes, deixando até mesmo de estudar. "Quem faz política não tem tempo de estudar" cai como uma luva nestes teus pressupostos. Lembra a frase da rev. francesa (burguesa) também (para o povo, pelo povo, nunca junto do povo), cujo sentido você que como estudante de Ciências Sociais deve conhecer bem.

Em primeiro lugar, o fato de um estudante não querer participar do Diretório não tem nada a ver com adotar medidas que possibilitem a participação. Se você quer saber quem vai responder, ou seja, ter responsabilidade por cada um dos assuntos será um membro de cada comissão que serão delegadas para fazer as coisas. E se ninguém quiser participar, será ruim para nós, pois não queremos dedicar nosso tempo integral ao DCE e deixar nossa vida pessoal de lado. É muito melhor que cada um cuide de algo da maneira que deve ser cuidada, com calma e aprofundamento do problema, ao invés de fazer tudo sozinho, tudo ao mesmo tempo e tudo mal feito.

A diferença é que diante da falta de participação, nós escolhemos continuar lutando para que a mobilização ocorra uma hora dessas, em vez de se conformar com este velho sistema. E sabemos que o DCE só tem voz quando tem número, participação - e isso não significa gritaria e baderna como vocês dizem, mas simples informação e consciência do que acontece na Universidade.

Mas mesmo se nada desse certo, o mínimo que faríamos tenho certeza que já ultrapassaria o que vocês fazem. Estamos propondo assembléias mensais que já estão previstas no Estatuto do DCE, como você sabe. Acho que é um absurdo um estudante se dedicar inteiramente ao DCE, perdendo o contato com os estudos e inclusive, muitas vezes, entrando em contradição entre aquilo que estuda ou deveria estudar e o modo de agir no DCE (por exemplo com as meninas que estudam teoria crítica social, indústria cultural etc., e fazem esta discussão esvaziada, apelando para celebridades e descendo ao nível mais espúrio de pensamento só pra conseguir votos.

Quanto ao CAFF: falácia da generalização apressada, como nota o Victor.

Anônimo disse...

O Bartô é muito grosso e chuco!

Ei disse...

A contradição está em todas as partes. Nenhuma chapa tem propostas consistentes. Apenas relatam todos os problemas da universidade ao qual o movimento estudantil deve se preocupar sem dizer de que maneira conseguiriam sanar esses problemas, sabemos que em 7 meses de gestão não tem como cumprir com tudo o que estão propondo estas chapas,então pergunto: - Todas as propostas lançadas por essa chapa seriam cumpridas em 1 ano de gestão?
Vocês acreditam realmente que o Movimento o Bonde do Amor não fez nada de consistente nesses dois anos de gestão? Vejo que vocês falam das conquistas do movimento caminhando, mas o que este fez de concreto na universidade além de discutir, discutir, reivindicar e reivindicar? Gostaria de saber também com relação ao atrelamento a reitoria na qual tanto pautam, vocês acham que não tem necessidade de discutir educação com a administração? E com o corte dos 38% do governo que está sendo pautado, como conseguir que as propostas se concretizem diante dessa realidade? Casa do Estudante, como darão andamento? Bolsas trabalhos, como garantirão que não sejam cortadas ou que direcionem as mesmas para a produção de conhecimento? Como conseguirão mais contratação de funcionários para a substituição desses estagiários, para melhorar o R.U, para aumentar o numero de vagas na universidade, para conseguir melhorar a qualidade de ensino?
Acredito que a realidade vai além do Marketing, além dos problemas a realidade está em como fazer acontecer, em como traçar caminho consistentes para que consigamos construir uma universidade que seja realmente de qualidade e que em 1 ano de gestão não seria possível. Se reconhecem que 1 ano de gestão é impossivel para conseguir todas as garantias necessárias a universidade, o que dizer das criticas a respeito da trilogia? Um prefeito tem 4 anos de gestão para conseguir melhorar algo o DCE tem apenas 1 que se resume em 7 meses, sendo mais preciso, levando em consideração 1 mês da comissão eleitoral, 3 meses de férias quando não tem feriados, gripe suína e tudo mais. Acredito que essa campanha muito tem se comparado a campanha Serra e Dilma onde muito se fala e nada se faz de concreto. Propostas vazias vejo por todos os lados, vontade, todo mundo pode até ter, mas de que? De ganhar? É necessário pautarmos na realidade e pensar que não é fácil lidar com a burocracia do Estado, da universidade e das entidades estudantis. Podemos até mobilizar, mas sabemos que quando a finalidade não é real logo tudo o que lutamos se perde. O que buscamos, quantidade ou qualidade? Uma pequena diretoria que consiga informar o estudante, que consiga tocar as pautas estudantis ou uma grande massa que se estagna e não consiga sair do papel e do mundo das idéias. Idealizar é sofrer, é necessário darmos contas das condições reais da nossa sociedade e traçar caminhos que nos levarão a alguma conquista certa e não duvidosa. O futuro é incerto para o movimento estudantil e isso não é de agora.

Nome Próprio disse...

Ei...
é, a contradição está em todas as partes mesmo, inclusive na hora que qualquer chapa lança alguma proposta do tipo "mais verbas para a educação".. isso também seria contraditório... não estamos tentando esconder as contradições, elas são inerentes ao sistema político-economico-cultural em que vivemos hoje... oculta-las é o que o bonde faz, de um jeito bem de grupo de direita, nivelando todas as discussões por meio do apelo ao amor - isso é marketing... aplicar a mesma fórmula que as empresas lançam pra vender um produto - o apelo ao erótico, sensual, etc... o problema é que as pessoas estão tão acostumadas em serem seduzidas que elas até gozam quando isso acontece.. é isso o que acontece, da mesma forma que o tiririca foi o mais votado dos senadores, igualmente o bonde faz sucesso aqui na uem... é vergonhoso!

LADROES! DEVOLVAM O LUCRO DO SHOW DOS VELHAS VIRGENS.. QUANTO FOI? $$5 MIL? CADE O ADAUTO DA ZOOTECNIA? COMPROU UMA MOTO E ZARPOU FORA? É BOM NUNCA MAIS APARECER NA UEM.........


....ESTAMOS DE OLHO......