sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Gaúcha, o movimento estudantil mais forte da UEM

UEM Campus Cidade Gaúcha - "Localizado no município de Cidade Gaúcha, PR, a 140 km de Maringá, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Engenharia Agrícola, Agronomia, Zootecnia e outras. Oferece o curso de graduação em Engenharia Agrícola e os cursos de graduação a distância: Normal Superior e Administração, e o curso de especialização em Açúcar e Álcool" (Fonte: site da UEM).

Em termos de participação e mobilização, Cidade Gaúcha dá o exemplo para os outros campus. Ainda estão na memória de todos as famosas greves de Gaúcha, principalmente a de 2007, na qual os estudantes e funcionários pararam pedindo mais verbas, reposição salarial, abertura de concurso público para professores e funcionários, por um R.U., uma Casa do Estudante e pelo fim das taxas:



Os estudantes simularam um enterro para expressar o descaso com o campus.



Passados quase quatro anos, alguns destes problemas permanecem, mas houve uma melhora significativa. Por exemplo: a construção de um quiosque para as atividades culturais dos estudantes e para abrigar a empresa júnior, gerida pelos estudantes...





conquista de um ônibus que transporta gratuitamente os alunos...
a readequação do galpão de máquinas agrícolas...
um auditório...

Entretanto, o campus ainda tem problemas pela falta de funcionários, de estrutura, assistência estudantil, entre outros. Os próprios estudantes construíram um projeto de R.U. e enviaram para análise da reitoria. Mas não pararam por aí: enquanto o RU não vem, foram atrás de orçamentos de marmitex e criaram um projeto de proposta de que a Universidade subsidie o valor que exceder aos R$1,60 pagos no RU do campus sede.

De outro lado, não há qualquer iniciativa cultural do DCE no campus. À parte isto, no campus há criação de animais que precisam ser reformuladas urgentemente. Apesar de estes porquinhos serem muito simpáticos,



a falta de preparo da estrutura leva à poluição e contaminação do ambiente:
sendo que um depósito para os dejetos não resolve o problema:


Os estudantes tem propostas de implementação de biodigestores (utilizar o gás como fonte de energia para o campus). Com as ovelhas, o problema é menor, pois eles elaboraram uma maneira de reaproveitar os dejetos e sobras de alimentos (usados como adubo):

Conheça mais o campus:





Estação Metereológica Automática





Por enquanto, são estas as informações que temos sobre Gaúcha. O pessoal de lá que faz parte da chapa ficou de fazer um texto falando mais (confiram, em breve). Obrigada à Monique, ao Zé e a todo o pessoal que nos acolheu muito bem, e que com a sua movimentação fornece uma referência para os outros campus. Sinceros parabéns.

Obs.: Em Gaúcha, há árvores frutíferas por todo o campus (e eles sabem o melhor horário de comê-las), e o café é de graça pra todo o campus...

7 comentários:

cibellemontor disse...

Muito Legal este post sobre gaúcha!! :)

Anônimo disse...

E as pessoas continuam insistindo que universidade pública é melhor do que universidade privada. Quando brasileiro vai perceber que toda administração governamental é ineficiente? Eu tenho uma proposta realmente radical pra UEM: diminuir os salários dos professores. O fato de haver concorrência nos concursos mostra que há mais interessados do que vagas e isso é um reflexo dos salários exagerados. Além disso, menores salários permitiriam que a reitoria tivesse mais dinheiro para investir em estrutura. O problema é que brasileiro quer tudo na moleza, quer ter as coisas sem sacrificar nada.

Érico Matos disse...

eu vi o video e me surgiu uma duvida, o rapaz que fala em nome do C.A, ele fala sobre a construção do terceiro bloco e dos laboratórios, qdo estivemos em gaúcha, nos vimos o terceiro bloco, construído e todo certo, mas eu gostaria de saber se os laboratórios do curso que ele fala no video, estão construídos, pois o que eu lembro que foi dito é que os laboratórios se encontravam em uma outra parte, então essa é uma duvida, no terceiro bloco há esses laboratórios que é citado no vídeo, como uma das reivindicações principais da greve de 2007?

ser ViVO disse...

kkkkkk

preciso conhecer o campus de cidade gaucha!!

massa galera.. vcs são exemplo!
vmos movimentar juntos gaucha!!

Anônimo disse...

Nós sabemos que a chapa movimente - se UEM não possui nenhum resquicio do movimento caminhando dentro da universidade, lembrando que o centralismo democrático que o PSTU prega vai contra a decentralização que este movimento prega e lembrando que os estudantes que estiveram presentes naquele movimento, como a Kelly que ficou duas semanas acampadas conosco não faz mais parte deste meio acadêmico. Estamos atentos a essas conquistas que estão sendo colocadas como de um movimento ao qual não existe mais e que foi extinto devido a falta de unidade com diversas pessoas que abandonaram a caminhando e hoje se junta em outra chapa que possui outros ideais politicos tornando o movimento um samba do criolo doido. Os estudantes de Gaúcha estão atentos e jã sabem da realidade desta chapa agressiva e xenofóbica que luta e consciencia são menos importante que a demagogia, falem sério, quem são vocês? Não venham enganar os estudantes de cidade Gaúcha.

Pati disse...

Anônimo

A chapa tem pontos em comum com a Caminhando, se você está falando da luta por melhorias na universidade. Não entendi o "samba do criolo doido". O que você entende com isso? Acho que não é nenhum absurdo o que estamos propondo, de fazer discussões sobre tudo, sem levantar bandeiras (dogmas), pré-juízos. Estes "ideais políticos" então devem ser impostos pela chapa?
Como diz o Tom Zé, devemos dizer o que é bom para a classe trabalhadora (para os estudantes, no caso)? Como o lema da revolução francesa: pelo povo, para o povo, mas nunca junto do povo?
É xenofobia pra você abrir o DCE à participação de todos? Você ajudaria muito se explicasse melhor o que quis dizer.

Centro Acadêmico disse...

Bom galera, esclarecendo dúvidas, sou o Zé, citado no post. Atual presidente do CA de Eng. Agrícola. Tudo que está escrito é verdade..quanto ao vídeo, quem tiver dúvida, procure saber a data dele..que por sinal, consta na página.
o terceiro bloco existe sim, está com os devidos laboratórios, mas não estão equipados.
o principal problema, além dos citados, é a falta de professores efetivos! essa é uma luta que não vamos parar...
independente de quem ganhasse nas eleições do DCE, nós iríamos continuar com o movimento. agora com a MOVIMENTE-SE UEM no DCE, nossa relação aumenta, e as forças somam.