terça-feira, 5 de abril de 2011

Um chamado libertário

No próximo domingo (10/04) às 16:00, no Centro Acadêmico Florestan Fernandes (quiosque F05, na passarela entre o bloco E46 e a cantina dos quiosques), será realizada uma reunião para discutir a formação de um coletivo libertário em Maringá. Este chamado aos anarquistas e demais libertários de Maringá está sendo feito por um grupo de alunos libertários da UEM, de forma independente ao DCE e qualquer outra entidade. Propomos iniciar a discussão sobre a formação de um coletivo libertário, que seja autogerido e pautado na práxis, focando na ação direta como meio de intervenção na sociedade. Também propomos que seja criado um grupo de estudos libertários para aprofundar nosso conhecimento coletivo sobre o conjunto de teorias libertárias (ação direta, anarquismo, comunismo de conselhos, autogestão, etc.). Convidamos todos para participar desta reunião e construir juntos o pensamento e a práxis libertária em Maringá.
- Um grupo de alunos libertários

6 comentários:

Gabriel disse...

Alunos não, hein Bartô... Estudantes.

Lorhan disse...

Fui ver o comunicado só hoje. Há previsão de uma segunda reunião?

Adalberto disse...

que tchubaruba

Bartolomeu disse...

Vamos marcar uma reunião para este domingo às 17:30 no CA de Ciências Sociais. Venha e participe!

Gabriel disse...

"Se eu não posso dançar, então essa não é a minha revolução" - Emma Goldman

brunosocialista disse...

Pessoas, estava lendo alguns posts anteriores e talvez aqui se encontre algumas dúvidas (ou divergências) sobre a participação de grupos políticos ou entidades estudantis.

Sinto que as vezes o fato de escrevermos uma nota pela ANEL ou por qq outra entidade é algo que soa como se estivéssemos "desvalorizando" a gestão ou como se não estivéssemos construindo-a.
Acredito que seja o contrário disso. Só o fato desses posts estarem aqui e não em outro lugar, significa que os grupos que atuam no DCE querem construí-lo, mas com isso tb expressam suas ideias e sua política, seja ela nacional ou local...

Não é pelo fato de uma nota ser da ANEL, ou da UJC, ou da UNE, ou de um "Coletivo Libertário" que quer dizer que isso expressa a totalidade (ou uma deliberação aprovada) da gestão. Nem o fato de um grupo expressar-se mais e outro menos que quer dizer que um é "maioria" e o outro "minoria". Todas são questões muito particulares e relativas...

Acho que é positivo as correntes se expressarem, mostrarem suas opiniões e levarem suas políticas a entidade da maneira mais clara possível... Todos sabem, e não é segredo que o Phill, por exemplo, constrói a ANEL. Também constrói o DCE! Mas o Phill que constrói o DCE é o mesmo que constrói a ANEL. Então, nada mais justo que suas opiniões para entidade estejam respaldadas por sua política nacional, no caso, a ANEL. Mesma coisa pra galera da UJC, ou dos coletivos anarquistas, do PSOL, etc etc..

Concordando com o Comodoro numa publicação anterior.. acho que aqui só não deve ter espaço pra direita!!

Sobre ser "ligado" a X ou Y, acho que o termo "ligado" é muito inexpressivo politicamente. Qual a intenção desta pergunta? Quer saber se o grupo "aparateia" a entidade como faz a UNE em suas gestões como no Bonde do Amor? ou se tem pessoas que participam/compõem/reivindicam tal entidade?
Essa pergunta frequente me parece mais provocação barata da direita da UNE que uma dúvida em si...

Na minha opinião não temos "ligação" alguma com a UJS, o PCdoB, a juventude do PT ou do PSDB.. e temos ligação com toda a esquerda. Nos dispomos a debater, aprofundar as divergências e disputar politicamente as diversas propostas de políticas estudantis que nos são apresentadas. E por isso essas propostas precisam aparecer cada vez mais!! seja por uma manifestação na reitoria contra o corte de bolsas ou mesmo as propostas do governo federal/estadual para a educação!